6º Edição

Curso de Formação em Yoga

Setembro 2020

Inscrições Abertas

A Respiração e o Pranayama do ponto de vista Anatómico - Parte 1

Atualizado: Set 22




Existe uma coisa que é comum entre os praticantes de Yoga iniciantes e os mais experientes Yogis: todos respiramos :)


Isto é a prova irrefutável de que qualquer um está habilitado a entrar no mundo do Yoga, desde que venha com interesse genuíno e vontade de aprender.


Um dos temas mais fascinantes dentro do Yoga é, sem dúvida, o papel que a respiração tem não só em cima do tapete, mas também no nosso dia a dia e no nosso bem estar fisico, mental e emocional.


A escolha do presente tema, teve origem no aprofundamento da prática de Pranayama nas minhas práticas pessoais, que por sua vez despertaram o interesse de perceber um pouco melhor como se desencadeiam os processos da respiração no nosso corpo/mente em termos anatómicos/fisiológicos.


No Yoga, para que o Prana (Energia Vital) possa circular livre e amplamente através da respiração, os caminhos do corpo devem estar libertos de tensão ou bloqueios, permitindo desta forma que prana e apana possam ter um equilíbrio recíproco saudável no corpo. Nesta perspetiva, é fundamental que as regiões envolvidas na respiração permaneçam num estado de sukha, habitualmente traduzido como “fácil” ou agradável”, mas cuja raíz etimológica aponta para a tradução como “bom espaço”.


Por sua vez, “mau espaço” corresponde a dukha, que é derivado de dus, significando mau, difícil, e kha, significando espaço. É geralmente traduzido como sofrimento, desconforto, desagradável e difícil.


Esta perspetiva é congruente com a visão e prática do Hatha Yoga Clássico que, através do aumento da quantidade de Prana disponível, visa a remoção de bloqueios ou obstruções ao nível físico e energético, melhorando consideravelmente a saúde e vitalidade do corpo, permitindo concomitantemente o acesso às camadas mais subtis da mente. Essencialmente, quando fazemos mais um bom espaço, nossas forças prânicas fluem livremente e restauram a função normal e saudável do corpo-mente.


Uma das principais razões pela qual a expiração é muitas vezes enfatizada relativamente à inspiração, parece prender-se com o seu papel na remoção dos resíduos do sistema, pelo que se cuidarmos bem da expiração, a inalação tenderá a regular-se por si mesma. Se nos livrarmos do que está a mais, abrimos espaço para o que é necessário.

A primeira respiração

Quando um feto está no útero, é a mãe que faz a respiração, sendo que os pulmões do bebé permanecem adormecidos até a criança nascer.


Nascer significa ser separado do cordão umbilical - a linha de vida que sustentou o feto por nove meses. De repente, e pela primeira vez, a criança precisa se envolver em ações que garantam a sobrevivência contínua. A primeira dessas ações declara independência física e fisiológica e corresponde ao primeiro fôlego. É a inalação mais importante e vigorosa que um ser humano jamais terá.

Essa primeira inalação dos pulmões desencadeia enormes mudanças em todo o sistema circulatório, que antes era direcionado para receber sangue oxigenado da placenta. A primeira inspiração causa uma onda maciça de sangue nos pulmões, os lados direito e esquerdo do coração se separam em duas bombas, e os vasos especializados de circulação fetal para fechar, selar e se tornar ligamentos que sustentam os órgãos abdominais.

A primeira inspiração tem assim de ser suficientemente forte para superar a tensão superficial inicial do tecido pulmonar inativo anteriormente. A força necessária para superar essa tensão é três ou quatro vezes maior que a de uma inspiração normal.


Outra experiência nova que ocorre no momento do nascimento é a experiência súbita do peso corporal no espaço. Dentro do útero, o feto está em um ambiente amortecido, solidário e fluido. De repente, o universo inteiro da criança se expande - os membros e a cabeça podem se mover livremente, e o bebé deve estar apoiado na gravidade.

Desenvolvimento postural e a respiração

As crianças começam a desenvolver sua postura imediatamente após a primeira respiração, assim que começam a amamentar. A ação complexa e coordenada de respirar, sugar e engolir simultaneamente, capacita-os da força tônica para realizar sua primeira habilidade postural - suportar o peso da cabeça que num bebé constitui um quarto de seu comprimento total do corpo, comparado a um oitavo para um adulto.

O apoio da cabeça envolve a ação coordenada de muitos músculos e, como acontece com todas as habilidades de sustentação de peso, um ato de equilíbrio entre a mobilização e a estabilização. O desenvolvimento postural contínua da cabeça para baixo até cerca de um ano, quando os bebés começam a andar, culminando com a conclusão da curva lombar aos 10 anos de idade.


Desde cedo se torna evidente a importância de uma relação integrada entre respiração e postura, prana e apana e sthira e sukha. Nesta óptica, a prática de Yoga pode ser vista como uma forma de integrar e optimizar os sistemas do corpo, que para efeitos do presente trabalho se podem sintetizar na conciliação das forças da respiração e da gravidade.

A Respiração como movimento: As cavidades toráxica e abdominal

A respiração é tradicionalmente definida como o processo de entrada e saída de ar dos pulmões. Esse processo - a passagem do ar para dentro e para fora dos pulmões - é movimento; especificamente, é o movimento em duas cavidades do corpo. Assim sendo, respirar é a mudança de forma das cavidades do corpo, concretamente a toráxica e a abdominal.


Essas cavidades compartilham algumas propriedades e também têm importantes distinções. Ambos contêm órgãos vitais: a cavidade torácica contém o coração e os pulmões, e a cavidade abdominal contém o estômago, o fígado, a vesícula biliar, o baço, o pâncreas, os intestinos delgado e grosso, os rins e a bexiga.

Ambas as cavidades se abrem em uma extremidade do ambiente externo - a parte torácica no topo e abdominal na parte inferior. As cavidades se abrem uma à outra por meio de uma importante estrutura divisória compartilhada, o diafragma.


Outra propriedade comum importante é que ambas as cavidades são ligadas posteriormente pela coluna. As duas cavidades também compartilham a qualidade de mobilidade - elas mudam de forma.


Esta capacidade de mudança de forma é crucial para a respiração; sem esse movimento, o corpo não consegue respirar. Embora ambas as cavidades abdominais e torácicas mudem de forma, mas existe uma diferença estrutural importante na forma como elas o fazem.


A cavidade abdominal muda de forma como uma estrutura flexível e cheia de fluido, como um balão de água. Quando se aperta uma extremidade de um balão de água, a outra extremidade expande-se.


No contexto da respiração, a cavidade abdominal muda de forma, mas não de volume. No contexto dos processos de vida que não a respiração, a cavidade abdominal muda de volume.


Por exemplo, quando bebemos um grande volume de líquido ou comemos uma grande refeição, o volume total da cavidade abdominal aumenta como resultado de órgãos abdominais expandidos (estômago, intestinos e bexiga). Qualquer aumento de volume na cavidade abdominal produz uma diminuição correspondente no volume da cavidade torácica. É por isso que é mais difícil respirar depois de uma grande refeição, antes de um grande movimento intestinal ou quando se está grávida.

Em contraste com a cavidade abdominal, a cavidade torácica muda tanto a forma como o volume; Ele se comporta como um recipiente flexível cheio de gás, semelhante a um fole de acordeão. Quando se aperta um acordeão, cria-se uma redução no volume do fole e o ar é forçado a sair. Quando se puxa o fole aberto, seu volume aumenta e o ar é puxado para dentro. Isso ocorre porque o acordeão é compressível e expansível, assim como o ar. O mesmo vale para a cavidade torácica, que, diferentemente da cavidade abdominal e seu conteúdo, pode alterar sua forma e volume na respiração.


Da conjugação e relação destas duas estruturas resulta um movimento integrado da respiração em que o movimento de uma delas necessariamente resultará em movimento na outra. Assim, durante uma inspiração (a mudança de forma que permite que o ar seja empurrado para os pulmões pela pressão atmosférica), a cavidade torácica expande seu volume. Isso empurra para baixo a cavidade abdominal, que muda de forma como resultado da pressão de cima.

Ao definir a respiração como mudança de forma, torna-se muito fácil entender o que constitui respiração efetiva ou obstruída - é simplesmente a capacidade ou incapacidade das estruturas que definem e cercam as cavidades do corpo para mudar de forma.


Em padrões de respiração que envolvem exalação ativa, como soprar velas, falar, cantar ou realizar determinados pranayamas, a musculatura em torno das duas cavidades contrai de tal maneira que a cavidade abdominal é empurrada para cima na cavidade torácica. ou a cavidade torácica é empurrada para baixo na cavidade abdominal, ou qualquer combinação dos dois.


Como os pulmões ocupam um espaço tridimensional na cavidade torácica, quando esse espaço muda de forma para causar o movimento do ar, ele muda de forma tridimensional. Especificamente, uma inalação envolve a cavidade torácica aumentando seu volume de cima para baixo, de lado a lado, e da frente para trás, e uma expiração envolve uma redução de volume nessas três dimensões.


Como a alteração da forma torácica está intrinsecamente ligada à alteração da forma abdominal, também se pode dizer que a cavidade abdominal também muda de forma (não volume) em três dimensões - pode ser espremida de cima para baixo, de lado a lado ou da frente para trás. Em um corpo vivo que respira, a mudança na forma torácica não pode ocorrer sem a mudança da forma abdominal. É por isso que a condição da região abdominal tem uma influência tão grande na qualidade de nossa respiração e porque a qualidade de nossa respiração tem um efeito poderoso na saúde de nossos órgãos abdominais.


Por forma a experimentarmos e assimilarmos estes conceitos, recomendo a execução da respiração completa, sentados ou mesmos deitados, pelo menos durante 10 minutos.


Na 2ª parte deste artigo, abordarei o papel do diafragma e da importância da musculatura acessória na respiração.


Boas práticas!


Namaste

Jorge

+351 912 678 617

e-mail: casadaalma.porto@gmail.com  |  Rua da Paz, 66, Sala 14 | 4050 461 Porto

Guiados pela visão do Yoga e da Meditação e pela tradição de todas as culturas, filosofias e religiões que visam o despertar da consciência, a Casa da Alma é um espaço que se propõe criar as condições  para que cada um possa revelar a sua natureza mais profunda, a sua Essência.

©casa da alma Todos os direitos reservados.Desenho e implementação do site:Tradi.pt